sábado, 26 de abril de 2014

O que aprendi com meus Pets

Uma bela manhã, depois de uma noite mal dormida, com a cabeça cheia de problemas me levantei da cama meio triste, meio atordoada sem saber direito o que fazer para melhorar tudo, pensando no quanto nos seres humanos somos covardes para mudar o que esta ruim, medo de se lançar de vez, medo de "mudar a melodia quando os acordes já não nos fazem mais dançar" (ficou poético isso hem... kkkkkkkk)

Abro a porta do banheiro, preciso lavar o rosto para encarar mais um dia chato, covarde e desanimado (até parece segunda-feira), ao abrir a porta levo um susto enorme, Valentin, meu gato anjo que pensa que é passarinho e voa, no auge de seus três meses, está em cima da pia, sentadinho se olhando no espelho com muita atenção, parece que ele não se reconhece, ai como que para tirar a prova ele lambe a patinha e olha para o espelho, a imagem faz o mesmo, ele esfrega a patinha no olho, a imagem repete, ele nem me percebe ali na porta do banheiro de tão atento e concentrado que esta, tenta entender mais um pouco e então me olha (acho que no fundo sempre soube que eu estava ali e eu como sempre deduzi errado rsrs), faço menção de pegar ele para colocar no chão, ele me olha e sem pensar na altura, pula, cai em cima do tapete, lambe a patinha e vai brincar com seu ratinho de borracha, como se este fosse seu arqui-inimigo com seus planos malucos para conquistar o mundo ("o que faremos essa noite Cérebro? - O que fazemos todas as noites Pink, conquistar o mundo"). Saio do banheiro pensando: "Gato doido!".

Assim que chego na cozinha vejo o Léo dormindo sossegado próximo ao fogão, ele levanta a cabeça me olha e rosna, vejo que tem um biscoito de polvilho perto dele (sim ele adora biscoito de polvilho não briguem comigo rsrs) e entendo o mau humor (sempre acho que ele age assim com a comida quando me olha porque pensa: "essa gordinha comeu todo o dela e agora quer o meu!" kkkkkkkk), sento para tomar café da manhã ainda estou triste e chateada, mas o dia começou e eu tenho que viver mais esse dia...

Pergunto para minha mãe se ela deu comida para o peixe, ela responde que sim e vou cuidar dos meus afazeres...

Depois de um tempo vou para a sala assistir TV com minha mãe, de onde estou no sofá posso ver o aquário, vejo o Flipper nadar toda a extensão de seu universo aquático, sim ele está fechado em quatro paredes de vidro, mas com esse espaço maior que proporcionei para ele, meu betta ficou muito mais feliz e nada como se tudo aquilo fosse um mar... Ele acha que é um golfinho (daí o nome rsrs) e as vezes pula, achando que é a própria Daiane dos Santos.

Olhando ao redor me lembrei da Liquinha, que quando eu chegava da rua  vinha correndo parava na porta e abanava o rabinho tão feliz, e sorria como se disse: "você demorou muito, quase morri de saudade." Era reconfortante chegar em casa depois de um dia cheio de problemas e ser recebida com tanto amor de um serzinho tão puro e inocente...

Percebi que eu tenho muito a aprender com eles, cada um com uma linda lição que nos seres humanos tão cheios de razão, devemos por lei levar para a vida, Valentin com seu olhar inocente tentando se descobrir diante do espelho, me mostrou que devemos buscar quem somos, insistir e se admirar com cada detalhe, não nos conformarmos com o que já esta ali todos os dias, o dia que perdermos a capacidade de admirar a vida esta não valerá a pena. E quando por fim, meu anjinho, saltou sem medo e sem se preocupar se teria um apoio, eu percebi que minha coragem também deveria vir de um salto como esse, porque no fim só voa quem se lança sem medo...

O Léo, me mostrou que devemos defender aquilo que nos pertence, e que ser amável não significa sempre dizer sim, e que não é porque a vida (muito maior que eu) é dura e arrebenta as vezes, não posso deixar que ela me vença, nem que tome minhas forças e me deixe vencida. 

E olhando a imensidão do mundinho particular do meu audacioso Flipper percebo que não importa o tamanho do mundo que rodeia uma pessoa, nem das paredes que a prendem, porque somos no fim de tudo do tamanho dos nossos sonhos, por isso sonhe grande e corra atrás deles...

E por fim, para um dia tão lindo e cheio de lições, minha amada Liquinha deixou a mais linda lição de todas (sim, ela virou estrelinha tem três meses), encare a vida sempre sorrindo, sempre com garra e vida nos olhos e não desista nunca, porque se lá na frente algo não acontecer como você quis ou planejou, pelo menos não foi porque desistiu mas porque tinha que ser assim e Deus sabe bem o que é melhor...

É, depois disso tudo, coloquei um sorriso no rosto, mandei meus problemas embora e prometi que de agora em diante eu sou do tamanho do meu sonho, e eles são enormes, e citando "a grande pensadora contemporânea" Shirley da novela Em Familia da Globo, (não podia ficar de fora da polêmica kkkkk) "caio do cavalo mas nunca do salto!".